• Marcelo Camargo

Qual a sua relação com o seu contador?



Olá, Sou Marcelo Camargo, economista, contador e sócio da JCOM Contabilidade.

No ano passado estive em um Work Shop promovido pelo Sebrae para empresários do setor de Pet Shop na Barra da Tijuca, com o título de “Circuito do Mercado Pet”, para falar de gestão, e como o perfil de pessoas que estariam no evento me interessa, pois é exatamente o público que desejamos atrair com o e-JCOM (contabilidade on-line em nuvem). Conheço bem o empresário da área Pet, são muito empreendedores, mas que geralmente está muito ocupado com o dia a dia do negócio, atendendo o cliente, cuidando do estoque, dando banho nos animais, etc. Meu objetivo em participar da palestra era entender como esse público percebia o seu contador.

O assunto ajudava, pois não tem como falar de gestão sem falar de contabilidade e para o pequeno empresário, falar de gestão é quase um tabu. Ora, nenhum empreendedor abre uma empresa porque tinha um sonho de analisar o fluxo de caixa ou manter reuniões regulares com seu contador. Por isso eu achava que, um workshop com veterinários para falar de gestão teria pouco público, mas me enganei: Existiam quase 250 pessoas (pelo menos visualmente dizendo).

Na parte da manhã ocorreram três palestras de empreendedores do ramo que atingiram o sucesso com suas empresas. Em suas demonstrações, os três contaram a trajetória de crescimento de suas empresas e quais as suas expectativas para o mercado no futuro. A plateia assistiu atentamente enquanto os palestrantes contavam sobre os investimentos em equipamentos realizados, formatação de franquia, expansão, parcerias com outras empresas do setor, etc. Todas as palestras muito boas, mas algo me intrigava: Cadê o contador?

No meu entendimento, qualquer processo de crescimento de uma empresa precisa ser acompanhado por um contador. Decisões erradas durante esse período podem gerar multa fiscais desnecessárias ou gerar impostos (apesar de devidos) evitáveis com a simples escolha do regime tributário correto. O Contador é também o profissional que pode suprir o empresário em assuntos que ele não gosta ou não está acostumado a lidar, como a gestão da empresa, elaboração de relatórios etc. Então, como o contador participou do crescimento daquelas empresas de empresários de sucesso?

Como não vi a resposta durante a apresentação dos participantes, fiz a pergunta durante a rodada de esclarecimento de dúvidas: Como é o relacionamento com o contador de vocês e como ele participou das decisões da empresa? Como vocês entendem essa situação no mercado em geral?

Os três responderam de forma a entender que o contador é algo obrigatório, pois existem assuntos burocráticos que precisam ser administrados, mas que é somente isso. Nenhum deles entende que o contador deve participar do dia a dia da empresa e, provavelmente, o nível de integração entre as informações da empresa e as informações contábeis é quase zero. Um dos participantes chegou a dizer que o seu balancete era obra de ficção!

Pela reação da plateia às respostas, entendi que esse modo de relação contador x empresário (pelo menos no Mercado Pet) é geral. E aí gostaria de entender: por que isso acontece? Quem é culpado, o empresário por ignorar a existência desse profissional e dar baixa importância à sua atividade ou do contador, que não faz por onde merecer um respeito maior?

Bom, minha visão é que isso é culpa dos dois: o empresário não confia em seu contador a ponto de dividir com ele seus objetivos e metas e o contador também, por não se mostrar interessado e presente quando necessário. Pena, pois todos perdem com isso.


2 visualizações

Rua.Senador Dantas, 20 -  sala 904

Centro - Rio de Janeiro (RJ)

(21) 2277-5950

contato@jcomcontabilidade.com.br